Laboratório de Farmacologia Experimental e Clínica

1. Quem somos

O laboratório de Farmacologia Experimental e Clínica trabalha com pesquisas envolvendo efeitos de xenobióticos no desenvolvimento encefálico (estudos pré-clínicos) e avaliação de vias intracelulares envolvidas em danos a órgãos alvos causados por doenças crônicas. 

Profa. Dra. Larissa Helena Lobo Torres Pacheco

Possui graduação em Farmácia com Habilitação em Análises Clínicas pela Universidade Federal de Alfenas (2006), Mestrado (2009) e Doutorado (2013) em Toxicologia e Análises Toxicológicas pela Universidade de São Paulo. Realizou Pós-Doutorado na Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (2015). Atualmente é Professora do Magistério Superior na disciplina de Farmacologia na Universidade Federal de Alfenas. Tem experiência na área de Farmacologia e de Toxicologia, com ênfase na avaliação dos efeitos de xenobióticos no sistema nervoso central por meio de estudos pré-clínicos e clínicos. 

Departamento de Alimentos e Medicamentos - Tel: (35) 3701-9513

e-mail: larissa.torres@unifal-mg.edu.br

Profa. Dra. Carla Speroni Ceron

Professora na Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG) e orientadora de Mestrado e Doutorado no Programa de Pós-graduação em Ciências farmacêuticas - PPGCF da UNIFAL-MG (2015 - atual). Bolsista de Atração de Jovens Talentos do CNPq na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP (2014 - 2015). Pós-doutorado na Divisão de Nefrologia do Departamento de Medicina da University of California, San Francisco - USA (2013 - 2014). Mestrado (2008 - 2009) e Doutorado (2009 - 2012) no Programa de Pós-graduação em Farmacologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo (USP). Graduação em Farmácia na Universidade Federal de Santa Maria (2003 - 2007). Desenvolve pesquisas em em hipertensão renovascular, isquemia e reperfusão renal, sepse e consumo crônico de etanol, com ênfase no estudo de vias intracelulares como a das metaloproteinases de matriz extracelular e de estresse oxidativo.

Departamento de Alimentos e Medicamentos - Tel: (35) 3701-9513

e-mail: carla.ceron@unifal-mg.edu.br
 

Apoio técnico:

Dra. Marilene Lopes Ângelo

Graduação em Farmácia Generalista pela Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG (2010), mestrado (2013) e doutorado (2016) em Ciências Farmacêuticas, na área de concentração: Avaliação físico-química e microbiológica de fármacos e medicamentos pela UNIFAL-MG. Atua como Farmacêutica na UNIFAL-MG, na supervisão dos alunos nas atividades de campo do estágio do SUS e no assessoramento das atividades de ensino e pesquisa do Laboratório de Farmacologia Experimental e Clínica com foco na supervisão e treinamento de alunos de graduação que realizam Trabalho de conclusão de curso e Iniciação científica e acompanhamento e treinamento dos alunos de pós-graduação na execução de diversas técnicas como western blot, zimografia e imuno-histoquímica.

Departamento de Alimentos e Medicamentos - Tel: (35) 3701-9510

e-mail: marilene.angelo@unifal-mg.edu.br

2. Equipamentos

- Balanças analíticas, pHmetro;

- Micro - homogeneizador de tecidos;

- Microcentrífugas e centrífuga refrigerada digital;

- Agitador vórtex, agitador magnético com aquecimento e agitador horizontal;

- Banho-maria;

- Estufa bacteriológica;

- Máquina de gelo;

- Digitalizador LAS 500;

3. Linhas de pesquisa

- Avaliação de possíveis intervenções terapêuticas no tratamento da farmacodependência. 

- Avaliação dos efeitos de xenobióticos no sistema nervoso central por meio de estudos pré-clínicos.

- . A avaliação de intervenções terapêuticas também é utilizada em estudos clínicos e pré-clínicos voltados ao tratamento da dor oncológica, pós-operatória, entre outros tipos de dor.

- Avaliação dos efeitos de tratamento alternativos com substâncias naturais ou sintéticas em doenças agudas e crônicas, com foco na análise de diferentes vias de sinalização celular como as de estresse oxidativo e metaloproteinases na redução de danos à órgãos-alvo.

- Avaliação dos efeitos de diferentes intervenções terapêuticas nos desfechos clínicos e na qualidade de vida de portadores de doenças agudas e crônicas.

- Papel de uma nova isoforma intracelular da MMP-2, truncada na posição N-terminal (NTT-MMP-2), na lesão renal aguda e crônica.