Medicina

 

ATO AUTORIZATIVO  - Portaria MEC/SERES Nº654  de 11 de dezembro de 2013


OBJETIVOS

OBJETIVOS

Objetivo geral

 

* Formar médicos humanizados, críticos, reflexivos e éticos, capacitados a atuar nos diferentes níveis de atenção à saúde, em especial na atenção primária e secundária, com ações na promoção, prevenção, recuperação e reabilitação da saúde, nos âmbitos individual e coletivo, com responsabilidade social e compromisso com a defesa da cidadania e da dignidade humana, e sendo promotores da saúde integral do ser humano.

 

* Fortalecer as relações entre os serviços de saúde e a universidade por meio do desenvolvimento científico, gerando transformações pessoais no estudante e socioculturais na comunidade.

 

* Desenvolver posicionamento crítico-reflexivo frente à própria prática clínica e às relações de cooperação e solidariedade.

 

Objetivos específicos

 

* Ampliar a oferta de vagas públicas para a formação de médicos a partir do ensino pautado na ética e baseado na comunidade.

 

* Formar médicos com capacidade de atuar nos diferentes cenários e serviços de saúde, destacando, na atenção primária, as atividades em Unidades de Saúde da Família (USF) e nos aparelhos comunitários (associações rurais, creches, escolas, comunidades rurais, cooperativas, ONG e etc.), na atenção secundária, as atividades ambulatoriais e, na atenção terciária, em hospitais, de modo a vivenciar o cuidado integral segundo os princípios do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

* Desenvolver um processo dinâmico de ensino-aprendizagem coerente com o perfil diferenciado do médico a ser formado, utilizando uma abordagem pedagógica por meio de diferentes metodologias de ensino que estimulem a produção de conhecimentos, a aprendizagem ao longo de toda a vida, a posição crítica-reflexiva frente à própria prática clínica e às relações de cooperação e solidariedade, com vista à formação ética e cidadã pautada no compromisso social.

 

* Integrar-se à rede de serviços de saúde do SUS, estabelecendo parcerias nas áreas de cuidado, gestão e educação em saúde, contribuindo para consolidação um núcleo de serviços de saúde para o município de Alfenas e região, atuante na promoção da saúde, prevenção, tratamento de doenças e reabilitação biopsicossocial, visando diminuir o sofrimento humano e melhorar a qualidade de vida.

 

* Formar médicos na perspectiva da integralidade da atenção da saúde, capazes de atuar em equipes multiprofissionais e fortalecer o Pacto de Gestão da Educação em Saúde.

 

* Contribuir para a melhoria do sistema de referência e contra-referência.

 

* Possibilitar a tomada de decisões baseadas em evidências científicas, capacidade de liderança no trabalho e de gerenciamento, de acordo com as Políticas e Ações do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

* Concorrer para a produção de saberes científicos, tecnológicos e filosóficos que visem uma melhor compreensão do binômio saúde-doença, da qualidade de vida, e a transformação sociocultural da comunidade.

 

* Integrar ensino, pesquisa e extensão visando criar vínculos entre a ciência médica e a promoção da vida social, estimular os compromissos sociais do médico e promover sua fixação regional.

 

* Graduar médicos que saibam observar as dimensões da diversidade biológica, psíquica, étnico-racial, socioeconômico, cultural, ética e bioética que singularizam cada pessoa ou cada grupo social.

 

* Comunicar-se com eficiência em todos os níveis da atenção, por meio da capacidade de interação com a comunidade, com os colegas e com o paciente.

 

* Conhecer o papel social do médico e ter disposição 

PERFIL DO EGRESSO

 

Em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina  (DCN) e com a construção coletiva do perfil geral e competência e habilidades advindas do processo de formação para todos os profissionais graduados pela UNIFAL-MG, o perfil profissional do egresso aponta alguns pressupostos dessa formação, que são:

  • Aprender de forma autônoma e independente;

  • Produzir e divulgar novos conhecimentos, tecnologias, serviços e produtos;

  • Aprender formas diversificadas de atuação profissional;

  • Atuar inter/multi/transdisciplinarmente;

  • Comprometer-se com a preservação da biodiversidade no ambiente natural e construído, com sustentabilidade e melhoria da qualidade de vida;

  • Gerenciar e/ou incluir-se em processos participativos de organização pública e/ou privadas;Atuar com ética e solidariedade enquanto ser humano, cidadão e profissional;

  • Buscar maturidade, sensibilidade e equilíbrio ao agir profissionalmente.


 

O artigo 3º das DCN explicita como perfil para o médico: “uma formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, com capacidade a atuar, pautado em princípios éticos, no processo de saúde-doença em seus diferentes níveis de atenção, com ações de promoção, prevenção, recuperação e reabilitação à saúde, na perspectiva da integralidade da assistência, com senso de responsabilidade social e compromisso com a cidadania, como promotor da saúde integral do ser humano”.

O artigo 4º apresenta algumas dimensões da competência profissional:

I. Atenção à saúde: os profissionais de saúde, dentro de seu âmbito profissional, devem estar aptos a desenvolver ações de prevenção, promoção, proteção e reabilitação da saúde, tanto em nível individual quanto coletivo. Cada profissional deve assegurar que sua prática seja realizada de forma integrada e contínua com as demais instâncias do sistema de saúde, sendo capaz de pensar criticamente, de analisar os problemas da sociedade e de procurar soluções para os mesmos. Os profissionais devem realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética, tendo em conta que a responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas sim, com a resolução do problema de saúde, tanto em nível individual como coletivo;

II. Tomada de decisões: o trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir competências e habilidades para avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;

III. Comunicação: os profissionais de saúde devem ser acessíveis e manter a confidencialidade das informações a eles confiadas, na interação com outros profissionais de saúde e o público em geral. A comunicação envolve a comunicação verbal, não-verbal e habilidades de escrita e leitura; o domínio de, pelo menos, uma língua estrangeira e de tecnologias de computação e informação;

IV. Liderança: no trabalho em equipe multiprofissional, os profissionais de saúde deverão estar aptos a assumir posições de liderança, sempre tendo em vista o bem-estar da comunidade. A liderança envolve compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva e eficaz;

V. Administração e gerenciamento: os profissionais devem estar aptos a tomar iniciativas, fazer o gerenciamento e administração tanto da força de trabalho quanto dos recursos físicos e materiais e de informação, da mesma forma que devem estar aptos a serem empreendedores, gestores, empregadores ou lideranças na equipe de saúde;

VI. Educação permanente: os profissionais devem ser capazes de aprender continuamente, tanto na sua formação, quanto na sua prática. Desta forma, os profissionais de saúde devem aprender a aprender e ter responsabilidade e compromisso com a sua educação e o treinamento/estágio das futuras gerações de profissionais, mas proporcionando condições para que haja beneficio mútuo entre os futuros profissionais e os profissionais dos serviços, inclusive, estimulando e desenvolvendo a mobilidade acadêmico-profissional, a formação e a cooperação por meio de redes nacionais e internacionais.

A partir das capacidades, habilidades e atitudes específicas das DCN foram constituídas quatro áreas de competência para a formação de médicos da UNIFAL-MG:

  • Cuidado às necessidades de saúde individuais em todas as fases da vida.

  • Cuidado às necessidades coletivas de saúde.

  • Gestão do trabalho em saúde.

  • Educação em saúde.

DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS

A formação do médico generalista tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências:

 

1 - Competências médicas.

  • Compreender o ser humano nos aspectos biológico, psíquico e social;

  • Identificar, descrever, analisar e resolver os problemas de saúde;

  • Diagnosticar e tratar corretamente as principais doenças do ser humano em todas as fases do ciclo biológico, tendo como critérios a prevalência e o potencial mórbido das doenças, bem como a eficácia da ação médica;

  • Dominar a arte da anamnese e a consequente construção da história clínica, a arte e a técnica do exame físico e a correta e parcimoniosa indicação das técnicas diagnósticas complementares;

  • Comportar-se de maneira a priorizar o bem-estar do paciente;

  • Dominar as formas de registro oficial de informações e a prescrição médica;

  • Atuar na proteção e na promoção da saúde e na prevenção de doenças, bem como no tratamento e reabilitação dos problemas de saúde e acompanhamento do processo de morte;

  • Realizar procedimentos clínicos e cirúrgicos indispensáveis para o atendimento ambulatorial e para o atendimento inicial das urgências e emergências em todas as fases do ciclo biológico.

  •  

2 - Competências em relação ao sistema de saúde.

  • Conhecer a estrutura e funcionamento do sistema de saúde nos seus diversos níveis;

  • Reconhecer os aspectos econômicos do cuidado em saúde e fundamentos de gestão;

  • Interessar-se pelas vertentes atuais da organização dos serviços de saúde;

  • Atuar no sistema hierarquizado de saúde, em diferentes níveis de atendimento, com ênfase nas atenções primária e secundária e obedecendo aos princípios técnicos e éticos de referência e contra-referência;

  • Lidar criticamente com a dinâmica do mercado de trabalho e com as políticas de saúde;

  • Considerar a relação custo-benefício nas decisões médicas, levando em conta as reais necessidades da população.

3 - Competências científicas.

  • Dominar os conhecimentos científicos básicos da natureza biopsicossocial e ambiental subjacentes à prática médica;

  • Dominar a metodologia científica e os métodos de investigação/pesquisa em seres humanos, possibilitando a leitura crítica de artigos técnico-científicos e a participação na produção de conhecimentos;

  • Conhecer o processo de raciocínio clínico crítico-reflexivo da interpretação dos dados, da identificação da natureza dos problemas da prática médica e da sua resolução;

  • Manter e aperfeiçoar as diversas competências por meio de educação continuada.

4 - Competências pessoais.

  • Conduzir eticamente a relação médico-paciente, pautando-se pelo sigilo médico e respeito à autonomia do paciente;

  • Reconhecer e aceitar os condicionantes culturais e sociais, individuais e coletivos, da saúde e da doença;

  • Reconhecer suas limitações e encaminhar, adequadamente, pacientes portadores de problemas que fujam ao alcance da sua formação geral;

  • Trabalhar em equipe multiprofissional, sabendo compartilhar e assumir parcial ou totalmente responsabilidades, deveres e direitos;

  • Modificar e melhorar os diversos aspectos relativos ao sistema de saúde;

  • Comunicar-se adequadamente com os colegas de trabalho, os pacientes e seus familiares, conhecendo as técnicas adequadas de transmissão de informações para cada tipo de público-alvo;

  • Cuidar da própria saúde física e mental e buscar seu bem-estar como cidadão e como médico.

5 - Competências sociais.

  • Participar com a comunidade na gestão municipal da saúde;

  • Exercer de forma ética e moral a cidadania e a ação médica na comunidade;

  • Conhecer a legislação e os regulamentos legais pertinentes à saúde e manter-se atualizado em relação a elas;

  • Promover estilos de vida saudáveis, conciliando as necessidades tanto dos seus clientes/pacientes quanto às de sua comunidade, atuando como agente de transformação social;

  • Informar e educar seus pacientes, familiares e comunidade em relação à promoção da saúde, prevenção, tratamento e reabilitação das doenças, usando técnicas apropriadas de comunicação;

  • Reconhecer a saúde como direito e atuar de forma a garantir a integralidade da assistência entendida como conjunto articulado e contínuo de ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema;

  • Ter visão do papel social do médico e disposição para atuar em atividades de política e de planejamento em saúde.

 

Com base nestas competências, a formação do médico deverá contemplar o sistema de saúde vigente no país, a atenção integral da saúde num sistema regionalizado e hierarquizado de referência e contra-referência e o trabalho em equipe, correspondendo à progressão do domínio e da autonomia no exercício profissional.

  • Grau: Bacharelado

Calendário do Internato Médico

 

 

 

PROJETO PEDAGÓGICO

PROJETO PEDAGÓGICO - ingressantes em 2015/1
 

MATRIZ CURRICULAR - DINÂMICA 1

MATRIZ CURRICULAR - DINÂMICA 3

 

CORPO DOCENTE

 

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

 

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

 

CÓDIGO DE ÉTICA DO ESTUDANTE DE MEDICINA

 

REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO

 

REGULAMENTAÇÃO - PRECEPTORIA

 

 

COORDENADORA DO CURSO DE MEDICINA
Profa. Gláucia de Oliveira Moreira