SERVIÇOS

Serviço de Aconselhamento Genético da Unifal-MG (SAG-UNIFAL)

 

Perguntas frequentes

 

1. O que é aconselhamento genético?

 

É uma avaliação feita por um profissional ou equipe especializada em Genética Clínica, com a finalidade de identificar possíveis condições hereditárias capazes de afetar um indivíduo ou suas futuras gerações, tais como anomalias genéticas, erros inatos do metabolismo e deficiências mentais. Assim, tal procedimento pode analisar a probabilidade de isso acontecer, verificar se há maneiras de manejar essa condição, orientar condutas terapêuticas, ou mesmo auxiliar no que tange ao apoio psicológico, a curto e longo prazo.

 

 

2. Para quem é indicado o aconselhamento genético?

 

Principalmente a mulheres com idade acima de 35 anos que pretendem engravidar, mulheres com manifestação recorrente de abortos espontâneos, com conhecimento de condição que possa afetar o desenvolvimento do feto, indivíduo ou casal que se expôs a radiação ou outros agentes teratogênicos ou mutagênicos, histórico familiar para um ou mais problemas hereditários, união consanguínea, e casais inférteis em geral ou com incompatibilidade sanguínea.

Também é útil quando há alterações nos exames pré-natais, assim como quando há deficiências, tanto em adultos ou crianças, cuja origem não foi identificada e atrasos no desenvolvimento; ou estimar a evolução de um quadro em particular que se desenvolveu ou tem grande potencial para se manifestar.

 

3. Como é realizado o aconselhamento genético?

 

Os procedimentos adotados no aconselhamento genético incluem anamnese pessoal e familiar detalhada e construção de heredograma, observando se há consanguinidade na família, histórico para desordens mentais ou outros problemas relacionados à hereditariedade; exame físico e cariotipagem.

 

4. O que é cariotipagem?

 

É o estudo laboratorial que investiga as possíveis alterações nos cromossomos de um indivíduo. Os seres humanos possuem 46 cromossomos nas suas células, incluindo os cromossomos sexuais XY para os homens ou XX para as mulheres. Assim, a análise cariotípica consiste na montagem fotográfica, em sequência dos 23 pares cromossômicos, permitindo identificar alterações no número ou estrutura dos mesmos.

 

5. Quanto demora uma análise cariotípica?

 

Por ser um exame destinado a diversos tipos de diagnósticos e utilizar cultura celular, a análise cariotípica possui tempos variados de cultura, processamento e análise, dependendo do tipo de amostra biológica utilizada e dos fins diagnósticos de cada paciente. Assim, um cariótipo destinado a identificar alterações cromossômicas constitucionais (em todo o indivíduo) é realizada a partir da cultura de linfócitos (sangue periférica) e pode durar aproximadamente 30 dias. O mesmo tempo é utilizado se a análise é destinada a identificar alterações cromossômicas em células tumorais da medula óssea, diagnóstico utilizado principalmente em pacientes com doenças onco-hematológicas (leucemias e linfomas). Já se trata de um diagnóstico pré-natal, utilizando cultura de vilosidades coriônicas ou amniócitos, o exame pode demorar 15 a 30 dias.

 

6. Como posso ser atendido no Serviço de Aconselhamento Genético da Unifal-MG?

 

Atualmente, nossos atendimentos estão dirigidos exclusivamente a alunos e famílias da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Alfenas-MG (APAE-Alfenas), através de um estudo científico específico. Porém, estamos trabalhando intensamente para possibilitar o atendimento, tanto laboratorial quanto clínico, a toda a população de Alfenas e região sul mineira. Caso ache necessário, entre em contato conosco através do telefone (35) 3701-9772.

 

FAQs para a Coleção Herpetológica Alfred Russel Wallace (CHARW) do ICN

 

  1. O que significa CHARW?

R.: É o acrônimo (iniciais abreviadas) da Coleção Herpetológica Alfred Russel Wallace. Esta é uma coleção científica de anfíbios e répteis preservados em álcool para fins de pesquisa. Anfíbios e répteis de uma região são denominados herpetofauna e são estudados por uma área da Zoologia denominada Herpetologia, daí o nome Coleção Herpetológica.

 

  1. Quem foi Alfred Russel Wallace?

R.: Um naturalista britânico brilhante contemporâneo de Charles Darwin. Charles Darwin ficou mundialmente conhecido como o autor do livro A Origem das Espécies (1859), no qual explica a Teoria da Seleção Natural, uma das mais importantes descobertas científicas do século XIX. O que pouca gente sabe é que um ano antes, Wallace chegou independentemente às mesmas ideias e apresentou-as numa carta para Darwin, que já vinha trabalhando há anos com o assunto. A saída diplomática foi encontrada por amigos de Darwin que apresentaram um resumo da teoria em co-autoria dos dois autores na Sociedade Lineana de Londres, em 1858. Ainda assim, Darwin é quem é lembrado como autor das ideias. Para compensar um pouco dessa injustiça com Wallace, resolvemos homenageá-lo, nomeando a Coleção Herpetológica da UNIFAL-MG.

 

  1. Que tipo de pesquisa é desenvolvida nessa Coleção?

R.: Essa é uma coleção científica pública aonde são identificados, preservados e guardados anfíbios (cobras cegas, sapos, rãs e pererecas) e répteis (jacarés, jabutis, cágados, lagartos, serpentes e anfisbenas) para diversos estudos: morfológicos (variações individuais, geográficas, sexuais, ontogenéticas), de diversidade (quais espécies ocorrem em cada lugar), de ampliação de distribuição geográfica, ação, composição e possíveis usos dos venenos de algumas espécies, de DNA (para descrever a variabilidade genética) e descoberta e descrição de novas espécies ainda não conhecidas pela Ciência. Os anfíbios e répteis guardados nessa coleção servem de testemunho da herpetofauna que existe em Alfenas e outras regiões. Pesquisadores que precisam estudar anfíbios e répteis procuram primeiro o que está disponível em coleções antes de sair coletando pelo campo. Essa consulta pode ser feita na própria coleção, mas também existe a possibilidade de empréstimo de material por tempo determinado para pesquisadores de outras instituições. A CHARW já emprestou material para pesquisadores do Instituto Butantan, Museu de Zoologia da USP, Museu Paraense Emílio Goeldi, Universidade Federal de Ouro Preto, Universidade Federal de Viçosa, entre outros.

 

  1. Esse laboratório presta mais algum tipo de serviço para a sociedade?

R.: Além das pesquisas científicas, recebemos anfíbios e répteis vivos, feridos ou mortos trazidos pela Polícia do Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros ou terceiros para identificação, avaliação do estado de saúde para posterior reintrodução na natureza e, quando isso não é possível (animais mortos), tombamos o exemplar na coleção. Também ministramos gratuitamente cursos de capacitação e palestras sobre anfíbios e répteis e identificação e cuidados com serpentes peçonhentas. Recebemos também visitas de escolas e associações que queiram conhecer a coleção e o tipo de trabalho que desenvolvemos na UNIFAL-MG. A coleção também serve para depósito de exemplares coletados durante levantamentos de fauna realizados por empresas de consultoria ambiental, obedecendo exigência do IBAMA.

 

  1. Quem é o responsável por essa coleção?

R.: O responsável por uma coleção científica é denominado curador da coleção. Ele não é o dono, pois a coleção é pública, mas tem a obrigação de cuidar dela. Cuidar de uma coleção é a atividade denominada curadoria da coleção e pressupõe identificar o material, preservá-lo, organizá-lo e tornar o acervo disponível para pesquisas por outros especialistas. O responsável pela CHARW é o Prof. Vinícius Xavier da Silva.

 

  1. Como entro em contato e aonde fica a CHARW dentro da UNIFAL?

R.: Pelo telefone (35) 3701-9066 ou pelo e-mail do curador, vxsilva@gmail.com. A CHARW funciona na sala U-002, embaixo do Biotério Central, no Prédio U, campus sede da UNIFAL (Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 – Centro), em Alfenas-MG, de segunda à sexta-feira das 8 às 11 e das 13 às 17 horas.