IX Semana Nacional de Museus na UNIFAL-MG

A nona edição da Semana Nacional de Museus na Universidade Federal de Alfenas, organizada pelo Museu da Memória e Patrimônio da UNIFAL-MG e ocorrida entre os dias 08 e 14 de maio de 2017, contou mais uma vez com nomes nacionais e internacionais. Antes da cerimônia, foi inaugurada a exposição de fotografias “Dizer o indizível em Museus”, organizada pelo Museu da Memória e Patrimônio da UNIFAL-MG com a participação de fotógrafos profissionais e amadores. Na abertura, após a apresentação musical com os discentes do Mestrado em Educação Júnior Roberto Faria Trevisan e Nikole M. Pereira de Almeida, foi proferida a conferência de abertura pelo Secretário Estadual de Direitos Humanos do Governo do Estado de Minas Gerais Nilmário Miranda. Após a conferência, foi lançado o livro “Narrativas sobre tempos sombrios: Ditadura militar no Brasil”, organizado pelos professores Mário Danieli Neto, Marcelo Hornos Steffens e Marta Gouveia de Oliveira Rovai, e também contando com a presença e colaboração dos professores Juliana Miranda Filgueiras, Luis Antônio Groppo e Ronaldo Auad Moreira.

No dia seguinte, na mesa “Museus e Histórias Controversas: dizer o indizível em museus no Brasil”, coordenada pela Profa. Dra. Marta Rovai, os convidados Prof. Diogo Jorge de Melo (UFPA), Marcela Boni Evangelista (Memorial da Resistência), e Prof. Blonsom Faria Ramos (Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos), apresentaram suas experiências no Pará, São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente. Na tarde do dia 09, foram apresentados os trabalhos enviados para a Semana e publicados nos anais do evento, com a coordenação do produtor cultural da UNIFAL-MG Ivanei Salgado.

No dia 10 de maio, pela manhã, ocorreu a palestra “Museus e Histórias Controversas: dizer o indizível no Museu da Loucura”, com Edson Brandão, responsável pela reestruturação do Museu da Loucura, de Barbacena. Ainda, esse mesmo palestrante trouxe para a UNIFAL-MG a exposição “Carregando Pedras”, disponível no hall do Prédio V entre os dias 09 e 11 de maio de 2017. Em seguida, foi aberto um espaço para apresentações e debates intitulado “Experiências museais no Sul de Minas Gerais”, com a coordenação do Prof. Dr. Claudio Umpierre Carlan, e com a presença de Haroldo Paes Gessoni, do Instituto Moreira Salles Unidade Poços de Caldas, e Sandro Adauto Palhão, do Setor de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura de Paraguaçu. Ainda, na tarde do dia 10, foi ministrada a oficina “Uma abordagem arqueológica sobre gênero”, com Dra. Karla Fredel.

Na tarde do dia 11 foi oferecida, pelo Prof. Danilo Eiji Lopes, a oficina “Museu da Pessoa: memórias e a afronta à avalanche”. As atividades na UNIFAL-MG foram encerradas com a palestra “A memória resistente em conflito com a (in) justiça de transição: o caso da Comissão Nacional da Verdade”, com Prof. Dr. Leandro Seawright Alonso (USP).

Entre os dias 12 e 14 de maio, como fechamento da semana, foi realizada a visita técnica à cidade histórica de Petrópolis, contando com 49 participantes representando os seguintes cursos: História, Ciências Sociais, Odontologia, Biologia, Geografia e membros da comunidade externa. O grupo, guiado pela museóloga e diretora do Museu da Memória e Patrimônio da UNIFAL-MG Dra. Luciana Menezes de Carvalho, visitou os seguintes espaços: Museu Imperial, Casa Santos Dumont, Museu da FEB – Força Expedicionária Brasileira, com dois momentos de debates ocorridos na Universidade Católica de Petrópolis, para discussão tanto do indizível nos locais visitados quanto da Casa da Morte, local clandestino usado pelos militares durante a ditadura civil-militar.

Pela sua abrangência nacional e internacional e seu impacto na Universidade Federal de Alfenas, é possível inferir que se trata de um evento de relevância para a universidade e que consegue abranger, em suas atividades, pesquisa, ensino e extensão.