Pan-africanismo e Negritude

Aqui você encontra um rico acervo para preparar suas aulas sobre Pan-africanismo e Negritude. 

Como baixar os arquivos para preparar suas aulas?

Clique sobre a imagem do arquivo e ela será ampliada. Em seguida, basta clicar com o botão direito do mouse sobre a imagem ampliada e escolher a opção Salvar Imagem em ou Salvar imagem como. Em tablets e smartphones basta pressionar o dedo sobre a imagem ampliada e segurar por alguns segundos até aparecer a opção Salvar imagem. Bom trabalho!


O grande intelectual africanista Kabengele Munanga aborda, neste trecho, a origem do racismo e propõe uma explicação para a emergência dos movimentos de Negritude.

Sugerido pela Equipe REMADIH em 27/05/2020.

 

 

 

 

 


Neste trecho, o antropólogo Kabengele Munanga propõe uma breve síntese a respeito do movimento da Negritude.

Sugerido pela Equipe REMADIH em 27/05/2020.

 

 

 

 

 

 


Leila Hernandez aborda, neste texto, as especificidades do desenvolvimento do pan-africanismo nos países africanos de colonização francesa e chama a atenção para o seu caráter político e identitário.

Sugerido pela Equipe REMADIH em 27/05/2020.

 

 

 

 

 


Vídeo intitulado “Abidias Nascimento – entre a negritude e o Pan-Africanismo”. Foi produzido pelo professor José Rivair (UFRGS) em ocasião das atividades do novembro negro de 2018. A película compila fotografias, discursos e entrevistas de Abdias Nascimento, ativista dos direitos civis e humanos das populações negras no Brasil e uma referência intelectual e política de nosso país.

Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=-MHtL5wOjVQ Acesso em 19/09/2019.

Sugerido pela Equipe REMADIH em 27/05/2020.


Almícar Cabral, no bojo das lutas anticoloniais, expõe alguns princípios e orientações para aqueles que se engajariam na luta pela independência da Guiné-Bissau e de Cabo Verde.

Sugerido pela equipe REMADIH 02/06/2020.

 

 

 

 

 


Neste excerto, Frantz Fanon, um dos maiores intelectuais engajados na luta pela descolonização da África, argumenta que somente por meio de um ato de violência seria possível romper aquela dominação colonial.

Sugerido pela equipe REMADIH 02/06/2020.

 

 

 

 

 


Leila Hernández traz algumas questões para exemplificar como os movimentos de independência dos territórios da África Ocidental se configuraram de formas distintas, respeitando as particularidades das respectivas localidades.

Sugerido pela equipe REMADIH 02/06/2020.

 

 

 

 


Na imagem, o mapa do continente africano de acordo com sua condição política no início da década de 1950. Vê-se que grande parte do continente ainda estava, de alguma forma, sob o domínio europeu.

Sugerido pela equipe REMADIH 02/06/2020.

 

 

 

 

 


Carlos Serrano e Kabengele Munanga desmistificam, neste trecho, o mito das independências africanas enquanto resultados de concessões dos colonizadores.

Sugerido pela equipe REMADIH 02/06/2020.