Sub-Projetos de Pesquisa

SUB-PROJETOS DE PESQUISA
Em andamento

Profa. Dra. Érica Hasui
Ecologia Urbana
Objetivos: Temos como objetivo relacionar a riqueza e composição da avifauna de áreas verdes dentro do perímetro urbano com suas respectivas distâncias à borda da cidade. Objetivos específicos: 1) Constatar se há relação entre a riqueza da comunidade da avifauna presente nas áreas verdes com a distância de tais áreas até a borda da cidade. 2) Verificar se fatores como cobertura vegetal, e capacidade da vegetação  presente na área verde de prover alimento às espécies podem influenciar na riqueza de aves ali presente.
Participantes: Rafael Mitsuo Tanaka, Bruno Adorno, Douglas Luiz dos Santos

Mata Ciliar
Objetivos: Constatar a variação na composição de grupos funcionais de aves em diferentes distâncias do fragmento em relação ao leito do rio. Objetivos Específicos: 1)Observar a variação da composição de espécies em diferentes distâncias de mata ao longo da margem do rio; 2) Observar a variação da abundância e riqueza funcional de acordo com diferentes larguras de mata ripária; 3) Estipular uma largura mínima suficiente de mata ripária para que sejam mantidos os grupos funcionais, diversidade e abundância de espécies
Participantes: Angelo Vinícius Alcântara

Diversidade filogenética
Objetivos: 1) Identificar quais os traços seriam selecionados com a mudança na PD ao longo de um gradiente de fragmentação e se estes são convergentes ou conservados. 2) Identificar quais são os processos dominantes (filtro de hábitat ou competição) na seleção desses traços ao longo de um gradiente de fragmentação. 3) Identificar quais os padrões de estrutura fenotípica e filogenética das comunidades ao longo de um gradiente de fragmentação.
Participantes: Lucas Andrigo Maure.


Prof. Dr. Flavio Nunes Ramos
Flora epífita em árvores isolada no pasto e fragmentos florestais
Objetivos:  O objetivo do trabalho é verificar se existe alta diversidade α, β e γ de epífitas em fragmentos florestais da região. Além disso, conhecer quais características dos forófitos proporcionam maior densidade e riqueza de epífitas. Também queremos testar as seguintes hipóteses: O aumento do distanciamento de fragmentos florestais e o manejo de pastagem mais intenso implicam em: (i) menor densidade de epífitas; (ii) menor riqueza de epífitas. Além disso, conhecer quais características dos forófitos proporcionam maior densidade  e riqueza de epífitas.

Diversidade de espécies e funcional de árvores e arbustos nos fragmentos florestais
Objetivos: 1- Caracterizar a vegetação arbóreo-arbustiva de fragmentos florestais em uma paisagem altamente fragmentadade Mata Atlântica (9% de cobertura florestal). 1.1) Quais são as espécies de árvores e arbustos que ocorrem na região? Quais são as espécies mais abundantes/frequentes? 1.2) As espécies que ocorrem na região são semelhantes àquelas que ocorrem em regiões próximas e/ou àquelas que ocorrem em outras regiões de Mata Atlântica Semi Decídua? 1.3) Qual é a distribuição diamétrica e hipsométrica dos indivíduos? 1.4) Os fragmentos estudados são semelhantes em termos de riqueza, diversidade e composição de espécies? 1.5) Fragmentos mais próximos geograficamente são mais semelhantes em termos de riqueza, diversidade e composição de espécies?

2- Verificar como os parâmetros da paisagem de uma paisagem fragmentada afetam a estrutura da assembléia de regenerante (futura geração) de espécies vegetação arbórea e regenerante em fragmentos florestais de Mata Atlântica. 2.1-Quais são as espécies que ocorrem no estrato regenerante? Quais são as espécies mais abundantes/frequentes no estrato regenerante? 2.2-Qual a distribuição diamétrica e hipsométrica dos indivíduos regenerantes? 2.3-Qual é a similiradade de composição entre os estratos As espécies que ocorrem no estrato regenerante e são semelhantes às que ocorrem no estrato adulto? 2.4-Como os parâmetros da paisagem (cobertura de mata, conectividade, porcentagem de matriz, etc) afetam a densidade e abundância de indivíduos e riqueza, diversidade e equabilidade de espécies dos estratos adulto e regenerante? 2.5-Fragmentos inseridos em paisagens semelhantes  são mais similares em termos de composição de espécies do estrato adulto e regenerante? Há espécies indicadoras?

3- Verificar como os parâmetros da paisagem de uma paisagem fragmentada e características do ambiente  afetam a diversidade funcional de espécies arbórea em fragmentos florestaisVerificar como parâmetros da paisagem e características do ambiente afetam a diversidade funcional da vegetação arbórea e arbustiva em fragmentos florestais de Mata Atlântica. 3.1-A riqueza e diversidade funcional da vegetação adulta é semelhante a riqueza e diversidade funcional da vegetação regenerante? 3.2- Os fragmentos são semelhantes em termos de riqueza e diversidade funcional do estrato adulto e regenerante? 3.3-Fragmentos inseridos em paisagens semelhantes são mais similares em termos de distribuição dos atributos funcionais? 3.4-Fragmentos com características ambientais semelhantes são mais similares em termos de distribuição dos atributos funcionais? Há atributos funcionais indicadores? 3.5-Como parâmetros da paisagem afetam a distribuição dos atributos, riqueza e diversidade funcional do estrato regenerante e adulto? 3.6-Como características do ambiente afetam a distribuição dos atributos, riqueza e diversidade funcional do estrato regenerante e adulto? 3.7-A distribuição dos atributos, riqueza e diversidade funcional do estrato adulto e regenerante é mais afetada pelas características do ambiente ou pelos parâmetros da paisagem? 3.8-Padrões de assembleia característica convergente e/ou divergente estão relacionados a parâmetros da paisagem e/ou características do ambiente? 3.9-Quais parâmetros da paisagem e características do ambiente estão relacionados aos padrões convergentes e divergentes?

História natural da Flora de Alfenas
Objetivos: Coletar e reunir informações ecológicas publicadas sobre as espécies de plantas que ocorrem em Alfenas e divulga-las on-line.


Profa. Dra. Marina Wolovski Torres
Estrutura filogenética e funcional e dinâmica de comunidades vegetais sob a perspectiva das interações ecológicas
Objetivos: i) estudar as interações planta-animal em comunidades; ii) entender como estas comunidades estão estruturadas com base na filogenia e em atributos funcionais reprodutivos e vegetativos das espécies; iii) inferir os processos históricos, determinísticos ou neutros que atuam na montagem destas comunidades e; iv) determinar os mecanismos que atuam na dinâmica das comunidades.

Conservação e manejo de polinizadores de café no sul de Minas Gerais
Objetivos: i) estudar as interações dos polinizadores do café; ii) avaliar a diversidade e a importância dos polinizadores para a produtividade do café e; iii) avaliar a produtividade do café em diferentes condições da paisagem e de manejo e diversidade de polinizadores.


Rogério Grassetto Teixeira da Cunha
Movimentação de mamíferos no pasto
Objetivos: testar a hipótese de que a quantidade de árvores isoladas influencia na movimentação de mamíferos de médio e grande porte em matriz de pastagem.
Participantes: Verônica Aparecida Ricciardi

Comportamento vocal de bugios-ruivos
Objetivos: descrever o repertório vocal de baixa amplitude dos bugios ruivos e testar hipóteses sobre funções de vocalizações específicas. Especificamente, pretendemos, no momento e no futuro, investigar: (i) se a espécie possui vocalização de contato e a função específica desta vocalização; (ii) funções específicas das vocalizações emitidas por infantes em interações com suas mães; (iii) testar hipóteses sobre funções específicas e aspectos evolutivos de vocalizações emitidas em contexto de brincadeira; (iv) aspectos relacionados à sintaxe e semântica das vocalizações.
Participantes: Carla Aparecida Costa, Tamires Cristina Camilotti Moraes e Diogo Munhoz Amorim

Individualidade na vocalização de anfíbios anuros:
Objetivos: Investigar se espécies de anfíbios anuros apresentam individualidade em suas vocalizações.
Participantes: Josiane Ricardino.

Influência de parâmetros da paisagem sobre a ocorrência de primatas.
Objetivos: analisar a influência de parâmetros da paisagem e dos fragmentos (p. ex. tamanho, forma, qualidade e grau de isolamento de fragmentos) sobre a ocorrência de primatas.
Participante: Leonardo Uêda da Mata


Prof. Dr. Vinícius Xavier da Silva
Diversidade filogenética

Bioacustica de anuro