Programa Mentoring

MENTORING: apoio aos estudantes de medicina

O Projeto Mentoring do curso de Medicina da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL-MG) iniciou-se em fevereiro de 2016 e corresponde às exigências das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Medicina. Foi inspirado em Programas Mentoring implantados em Escolas Médicas no Brasil desde a década de 1990, reconhecendo que a formação do futuro médico é marcada por intenso estresse acadêmico e emocional. O Mentoring tem papel preventivo e de suporte para o desenvolvimento pessoal e profissional dos estudantes de Medicina. As ações visam acompanhar o estudante longitudinalmente para proporcionar momentos de reflexão, tomada de consciência e competências para enfrentar o meio acadêmico, social e profissional. A participação é voluntária e estimulada por meio de horas de atividades complementares.

INTRODUÇÃO- Este projeto surgiu da necessidade do Curso de Medicina da UNIFAL em adotar uma estrutura que respondesse às exigências das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Medicina. O Projeto Mentoring foi inspirado em Programas Mentoring, que têm sido implantados em Escolas Médicas no Brasil desde a década de 1990, reconhecendo que a formação do futuro médico é marcada por intenso estresse acadêmico e emocional. Por isso os Programas Mentoring possuem um papel preventivo e de suporte para o desenvolvimento pessoal e profissional dos alunos de Medicina. A proposta é que um tutor ou mentor acompanhe longitudinalmente um grupo de até 10 alunos, constituído por alunos de diversos períodos para facilitar a troca de experiências entre eles. Esse tutor/mentor é considerado figura que inspira, dá conselhos e auxilia o aluno a atravessar a jornada do curso de Medicina, sem assumir a postura de avaliador, papel de pai, amigo ou psicoterapeuta. Um tutor, termo mais adotado no Brasil, pode ocupar um espaço social único para o jovem em busca de si mesmo. O mentor proporcionará oportunidades para que os estudantes concretizem os seus objetivos pessoais e profissionais preservando a saúde física e mental, para que os mesmos possam exercer os cuidados inerentes da Medicina. As características consideradas importantes para ser um mentor são: estar inserido no contexto da graduação, ter postura empática, bom relacionamento com os alunos – capacidade para ouvir, disponibilidade dentro e fora do grupo, paciência e que compartilhe experiências. Os mentores foram indicados pelos próprios alunos, após ser exposta a proposta aos mesmos.

OBJETIVO GERAL – Desenvolver ações preventivas e de suporte em um ambiente humanizado, a fim de compreender, conhecer e acompanhar a vida do acadêmico em Medicina, proporcionando-lhe momentos de reflexão, tomada de consciência e competências para enfrentar as dificuldades no meio acadêmico-social, contribuindo para seu desenvolvimento pessoal e profissional.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS – Acolher o estudante que sai de seu núcleo familiar e se insere na Universidade, ambiente novo, com exigências de novas posturas e responsabilidades e lhe oferecer suporte para que enfrente a formação acadêmica e a profissão com menos angústia e adoecimento; – Promover discussões e reflexões sobre temas de interesse dos estudantes, a fim de auxiliá-los a desenvolver competências para enfrentar dificuldades pessoais, acadêmicas e profissionais; – Detectar estudantes em sofrimento psíquico ou que possam apresentar quadros de transtornos mentais ou comportamentais relacionados ao uso de álcool e outras substâncias psicoativas para que possam ser encaminhados a tratamento.

JUSTIFICATIVA – O ingresso na Universidade para o jovem, ao mesmo tempo em que sinaliza uma conquista, pode se tornar um período crítico, de maior vulnerabilidade para o início e manutenção do uso de álcool e outras drogas e desenvolvimento de sofrimento e transtornos psíquicos, pois é um período em que o jovem se distancia do núcleo familiar e se insere em um novo contexto que requer adaptações, novas posturas e responsabilidades. Estudos apontam que a prevalência de sintomas depressivos, de ansiedade, uso de álcool e outras drogas e suicídio é maior entre os estudantes de Medicina quando comparados à população geral. Isso ocorre porque esses estudantes estão sujeitos a potentes estressores, tais como rede de apoio deficiente, sobrecarga de conhecimentos, competição, dificuldade na administração do tempo, individualismo, responsabilidade e expectativas sociais do papel de médico, contato com a morte e processos patológicos, exame físico de pacientes, medo de adquirir doenças, de cometer erros e sentimentos de impotência diante de certas doenças. Por isso, faz-se necessário propostas de prevenção (apoio ou suporte) e intervenção para esta dada população, como o Mentoring.

Coordenação:

Profa. Gabriela Itagiba Aguiar Vieira

Profa. Dra. Marília Gabriella Alves Goulart Pereira