Em entrevista para o Jornal da EPTV, pesquisador da UNIFAL-MG esclarece dúvidas sobre as mutações do coronavírus e a eficácia das vacinas contra a Covid-19

No quadro “Pergunte ao Doutor” do Jornal da EPTV – 1ª Edição, do dia 26/12/2020, o professor Sinézio Inácio da Silva Júnior, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da UNIFAL-MG, esclareceu dúvidas sobre as mutações do coronavírus e a eficácia das vacinas contra a Covid-19.

De acordo com o epidemiologista, as mutações são aceleradas pela situação epidêmica e em decorrência da pressão natural do próprio vírus. No entanto, não se espera que haja aumento da gravidade da doença ou dos sintomas, mas maior facilidade na transmissão, o que levará a uma taxa maior de casos, de internações e de mortes. O especialista recomenda que as pessoas se atentem para as medidas de prevenção, especialmente, para o uso de máscaras.

Em relação à eficácia das vacinas, o pesquisador comenta que as vacinas estão sendo desenvolvidas para evitar formas graves e sintomáticas da doença, porém, mesmo uma pessoa vacinada e protegida de desenvolver sintomas também podem transmitir para outras pessoas, assim como os assintomáticos. “O vírus tem um tempo antes de ser, vamos dizer, atacado pelo nosso organismo em que ele se multiplica e também tem a questão da janela imunológica”, afirma.

Na perspectiva do epidemiologista, o Brasil está atrasado na vacinação para conseguir cobrir todo o território e a população. A torcida do professor é para que até o meio do ano de 2021, haja uma proteção razoável. “Para criar uma situação confortável, a gente teria que ter 120 ou 130 milhões de pessoas protegidas pela vacina”, disse. Segundo Prof. Sinézio, espera-se que em meados de 2021, o país tenha um parâmetro melhor para observar.

Confira na íntegra:

Vídeo disponível em: https://globoplay.globo.com/v/9131559/

Copy link
Powered by Social Snap