Servidores TAEs concluem cursos de mestrado e doutorado na UNIFAL-MG; pandemia não atrapalhou técnicos a realizarem suas pesquisas no Brasil e no exterior

A pandemia de Covid-19 não foi impedimento para servidores técnicos-administrativos da UNIFAL-MG realizarem o sonho de se tornarem mestres, doutores e continuarem suas pesquisas. Mauricio Pereira Ferreira e Carolina de Cássia Araújo, conquistaram o título de mestre em 2020, e George Augusto Veloso de Oliveira se tornou doutor.

(Foto: Arquivo Pessoal/ Maurício Pereira)

Maurício, que atua no Departamento de Infraestrutura, na Oficina de Eletrônica, realizou seu curso de mestrado por meio do Programa de Pós-Graduação em Física. Sob orientação do Prof. Hugo Bonette de Carvalho, o servidor defendeu a dissertação “Preparação e caracterização estrutural de nanopartículas de TiO2 dopado com lantanídeos (Ti1-xGdxO2 e Ti1-xLaxO2) para aplicações fotocatalíticas”, que analisou as propriedades do dióxido de titânio (TiO2), um semicondutor óxido. “Ele tem sido o mais estudado nas últimas décadas devido ao seu baixo custo de produção e boa estabilidade química. É muito utilizado como: pigmento branco em tintas; em células solares para a fabricação de painéis fotovoltáicos; na indústria farmacêutica, em protetores solares; entre outras aplicações”, informou Maurício.

A defesa da pesquisa foi no final de agosto e em novembro o servidor ingressou no doutorado em Química também na UNIFAL-MG. “Acredito que eu seja o primeiro em minha família a ter o grau de mestre. Para mim é muito importante estudar, pois na minha família, a maioria não alcançou o Ensino Médio. Eu consegui conciliar os estudos e trabalho desde os meus 15 anos e receber o certificado de mestre parecia uma conquista quase inalcançável”, conta Maurício, agradecido pelo apoio que recebeu nos últimos anos da esposa e do filho.

(Foto: Arquivo Pessoal/ George Augusto)

Já George Augusto, que realizou os cursos de graduação e mestrado em Química pela UNIFAL-MG, também defendeu sua tese pelo Programa de Pós-graduação em Química da Universidade, com orientação do Prof. José Maurício Schneedorf Ferreira da Silva. O estudo, intitulado “Purificação de ricina, caracterização ampepométrica de atividade, e novos candidatos a inibidores”, revelou resultados que podem contribuir para aferição de atividade residual de ricina em etapa de biossegurança da indústria de biodiesel, que utiliza subprodutos da mamona e óleos de castor (ácido ricinoleico).

De acordo com o técnico de laboratório, dada à facilidade relativa de extração e obtenção de frações de ricina, a descoberta poderá contribuir para a detecção rápida em material suspeito contendo a toxina. “A invenção permite uma rápida avaliação de amostras em suspeição, quer em formulação pulverulenta ou líquida, junto à fiscalização da Polícia Federal aeroportuária, bem como a organizações militares de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear do Exército Brasileiro (DQBRN), essas para ações de monitoramento e segurança em grandes eventos, bem como no combate ao bioterrorismo e guerra biológica”, afirmou.

A servidora do campus Poços de Caldas, Carolina, se tornou mestra em Educação com um estudo sobre práticas de letramento desenvolvidas em uma unidade curricular do curso de Bacharelado Interdisciplinar em Ciência e Tecnologia (BICT) da UNIFAL-MG. Orientada pela Profa. Maria Emilia Almeida da Cruz Torres, a defesa da dissertação “Letramentos acadêmicos e o bacharelado interdisciplinar em ciência e tecnologia da UNIFAL-MG: cooperação e embates”, foi realizada em meados de outubro.

Pesquisas internacionalizadas

Em 2020, os servidores Matheus Pereira de Araujo e Jeferson Alves dos Santos também deram um passo a mais em direção ao doutoramento, mas com experiências internacionais no Japão e Portugal, respectivamente.

Técnico no laboratório do Departamento de Patologia e Parasitologia, Matheus também possui um vínculo valioso com a Instituição na qual se graduou em Farmácia, concluiu o mestrado e cursa o doutorado em Ciências Farmacêuticas, desde 2017. Com orientação e coorientação dos professores Marcos José Marques, Raquel Lopes Martins Souza e Luiz Felipe Leomil Coelho, da UNIFAL-MG, e Marcello Otake Sato, da Dokkyo Medical University, o servidor desenvolve um estudo que relaciona esquistossomose, microbiota, interação patógeno-hospedeiro e DNA ambiental.

Matheus recebeu o certificado de conclusão do doutorado sanduíche em uma cerimônia de encerramento junto aos dirigentes da Dokkyo Medical University (Foto: Arquivo Pessoal/ Matheus Pereira)

De acordo com ele, a oportunidade do doutorado sanduiche surgiu no final de 2018, quando a CAPES lançou o edital e o programa de pós-graduação realizou um processo seletivo, no qual foi selecionado. “A Dokkyo Medical University, pelo Tropical Medicine & Parasitology Department, tem excelência em pesquisa em parasitoses, entre elas, a esquistossomose, e realiza vários trabalhos na Ásia, África e América, o que me motivou a escolher esta instituição. Junto a isso, gosto muito da cultura japonesa, o que ajudou também no processo de adaptação no país”, contou.

Incentivado pelos docentes da UNIFAL-MG, que sempre frisaram a importância de se fazer um estágio em outra instituição para aprimorar os conhecimentos, Matheus relata o desejo de colocar em prática o que aprendeu e manter a parceria com a Dokkyo Medical University para desenvolver novas pesquisas e auxiliar outros estudantes que queiram realizar um estágio sanduíche. “Tive contato com pesquisadores de várias universidades do Japão e de outros países, além de aprender novas técnicas e conhecer uma nova cultura. A experiência é inesquecível e como educador quero que outros alunos também tenham a mesma oportunidade”, disse.

(Foto: Arquivo Pessoal/ Jeferson Alves)

Auditor da Instituição desde 2006, Jeferson é mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública e Sociedade e em 2019 ingressou no doutorado em Ciências Ambientais. Sob orientação do Prof. Eduardo Gomes Salgado, está desenvolvendo um estudo sobre a sustentabilidade nas Universidades Públicas Brasileiras, com o objetivo de propor um modelo de auditoria baseado em risco para assessorar os gestores das Instituições de Ensino a trabalharem suas diretrizes em consonância com os preceitos de sustentabilidade e desenvolvimento sustentável nos termos da Agenda 2030 e da Agenda Ambiental da Administração Pública – A3P.

Segundo o servidor, já no primeiro semestre do doutorado, surgiu a ideia de procurar instituições que fossem referência na área de sustentabilidade a fim de formatar indicadores diferentes e/ou complementares àqueles já existentes por instituições especializadas em ranqueamento institucional como o GreenMetrics. “Então foram feitos contatos com o Prof. Paulo Alexandre de Araújo Sampaio, da Universidade do Minho, que aceitou a orientação. E, logo que cheguei a Portugal, fui integrado ao grupo de pesquisa sobre processos organizacionais de qualidade, composto por brasileiros, argentinos, portugueses e um neozelandês”, contou, enfatizando que, mesmo o doutorado sanduiche sendo realizado em um país com língua portuguesa, o conhecimento da língua inglesa foi necessário, pois palestras, aulas e reuniões do grupo são em inglês.

(Print: Arquivo Pessoal/ Jeferson Alves)

Jeferson comentou ainda que mesmo com a pandemia, as atividades continuaram via plataformas digitais, que viabilizaram reuniões com pessoas da Universidade de Aveiro, do campus de Guimarães da UMINHO, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo e, inclusive, a apresentação de um trabalho na Conferência campus Sustentável, realizada no Instituto Politécnico de Tomar. “Com a análise dos exemplos das Instituições Portuguesas, está sendo possível formatar possíveis indicadores para a tabulação do modelo proposto no projeto de doutorado, bem como será possível levar essa experiência para possíveis adequações nas rotinas internas da UNIFAL-MG”, afirmou.

Copy link
Powered by Social Snap