:: Boletim Epidemiológico N° 38 – 06/09/2021 – Situação epidêmica de Covid-19 em Minas Gerais e no sul de Minas

Nesta edição do boletim IndCovid, os pesquisadores afirmam que a vacinação teve grande impacto na redução da mortalidade por Covid-19, mas o risco de morte dentre os idosos ainda é significativamente maior do que entre os mais jovens.

Risco de morte entre idosos em comparação com pessoas mais jovens: de acordo com o levantamento, no Sul de Minas, em janeiro deste ano, uma pessoa idosa tinha 110 vezes maior risco de morrer pela doença do que jovens entre 20 e 29 anos e 43 vezes maior risco em relação aos de 30 a 39. Considerando os de 80 anos ou mais, esses números eram, respectivamente, 311 e 122 vezes maiores. No entanto, em agosto, já com a vacinação completa, os idosos passaram a ter esse risco, 25 e 17 vezes maior, respectivamente, do que aqueles das faixas etárias de 20 a 29 e 30 a 39 anos. Contudo, ainda hoje, uma pessoa com 80 anos ou mais tem 58 vezes maior risco de morrer de Covid-19 do que os jovens entre 20 a 29 anos e 40 vezes maior do que o dos de 30 a 39. Portanto, é essencial acelerar a redução do contágio, avançar com a vacinação, inclusive a de reforço, e não relaxar precocemente com a prevenção, principalmente o uso de máscaras.

Panorama da média diária de novos casos em Minas Gerais e região sul de Minas: o efeito positivo da vacinação começou a ser sentido de março para abril, ao reduzir o risco de morte dos de 80 anos ou mais e de abril para maio, com a redução desse risco entre toda a população idosa. Associado ao avanço da vacinação entre os mais jovens com fatores de risco, de junho a julho o risco de morte diminuiu em todas as faixas etárias. Minas Gerais iniciou a semana voltando à queda na tendência de novos casos e óbitos. A média diária de novos casos na semana ficou em 2480, valor abaixo do registrado em 28 de novembro de 2020 e a de óbitos em 51, a mais baixa desde 29 de dezembro do ano. O mesmo ocorreu no sul-mineiro em que a média móvel de casos registrou 344, menor valor desde 12 de dezembro de 2020 e a média móvel de óbitos ficou em 8, menor valor desde 15 de janeiro deste ano.

Internações, incidência e mortes: em termos de novas internações, a região Sul acompanhou a tendência de crescimento do estado. O comportamento da tendência de novas internações e a oscilação da taxa de incidência diária média na semana entre diferentes regiões mineiras são indicadores de que não estamos ainda em situação confortável no controle da pandemia; principalmente sob o risco do espalhamento da variante delta. Embora há uma semana todos os dez municípios sul-mineiros mais populosos tenham registrado tendência de queda na incidência, no início desta semana Poços de Caldas foi para estabilidade e Alfenas e Três Corações apresentaram crescimento. Também há uma semana, em novas internações a tendência predominante era de queda. Mas, no início desta semana, Pouso Alegre, Alfenas, Três Corações e Três Pontas apresentaram crescimento e Lavras estabilidade. Em novos óbitos, apenas Itajubá manteve a tendência de crescimento, coerente com uma trajetória de crescimento na tendência de novas internações até 30/08/2021. Nos demais municípios predominou a tendência de queda desse indicador. Acesse na íntegra

Copy link
Powered by Social Snap