UNIFAL-MG promove 3° Congresso Sul-Mineiro de Fisioterapia e comemora 10 anos de implantação do curso de Fisioterapia

Abordando as perspectivas para os próximos 50 anos da fisioterapia, o presidente do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região (CREFITO-4), Anderson Luís Coelho, proferiu a palestra de abertura do 3° Congresso Sul-Mineiro de Fisioterapia, na quarta-feira (18/09), no auditório da Unidade Educacional Santa Clara.  O evento, que termina nesta sexta-feira e acontece paralelamente ao 2º Simpósio do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação e ao 3º Encontro de Egressos e de Extensão, é organizado pelo curso de Fisioterapia da UNIFAL-MG e já se tornou referência na região.

“Fisioterapeuta, quem é você?”, foi o primeiro questionamento do Prof. Anderson, que traçou um breve histórico sobre o surgimento da fisioterapia no mundo e no Brasil, falando também sobre as resoluções que regem a profissão. “A fisioterapia como profissão nasceu em meados do século XX, quando as duas guerras mundiais causaram um grande número de lesões e ferimentos graves que exigiram uma abordagem de reabilitação para reinserir as pessoas afetadas novamente em uma vida ativa”, disse. “No Brasil, o primeiro curso para formação de fisioterapeutas – técnicos – foi criado em 1951. Mas apenas em 1969, a profissão adquiriu seus direitos, por meio do Decreto-lei nº 938/69, no qual a Fisioterapia foi reconhecida como um curso de nível superior e definitivamente regulamentada”, informou.

(Crédito da imagem: Dicom/UNIFAL-MG)

Em seguida, o presidente do CREFITO-4 apontou algumas lacunas de atuação, como a fisioterapia ocular, na hemodiálise, em queimados, nas maternidades, e falou sobre a diferença entre ser especialista e pós-graduado, com base na Resolução COFFITO nº 377, que dispõe sobre as normas e procedimentos para o registro de títulos de especialidade profissional em fisioterapia. “Localizar um especialista profissional no Brasil ainda é uma tarefa difícil. Somos mais de 280 mil profissionais e menos de 5% é especialista.”

Também foram abordados os novos recursos da tecnologia digital que se tornaram ferramentas para transformar a fisioterapia tradicional em uma versão mais dinâmica por meio da computação 3D, realidade virtual para exercícios terapêuticos e uso de aplicativos para auxiliar no engajamento e educação do paciente diante do tratamento personalizado. “Estamos vivendo um momento de ressignificar e valorizar as profissões. O fisioterapeuta precisa ser capaz de acompanhar isso, otimizando o atendimento, melhorando a interação de dados e a autonomia da gestão empresarial, bem como a precisão diagnóstica”, finalizou.

O Congresso

Antes da palestra, foi realizada a solenidade de abertura do congresso com a presença do vice-reitor, Prof. Alessandro Antonio Costa Pereira, do pró-reitor de Graduação, Prof. José Francisco Xarão, da coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação, Profa. Simone Botelho Pereira, da coordenadora do curso de Fisioterapia, Profa. Ligia de Sousa Marino, do diretor do Instituto de Ciências da Motricidade (ICM), Prof. Adriano Prado Simão e do coordenador de Extensão, Prof. Dennis William Abdala.

Os convidados relembraram a trajetória do curso de Fisioterapia da UNIFAL-MG, que comemora 10 anos de atividades este ano com muitas realizações. “Nosso curso é novo, recém-criado, mas já mostramos competência e capacidade em sermos um curso estruturado e repleto de conquistas. Somos nota máxima: cinco no Enade, cinco na avaliação do Conceito Preliminar de Cursos (CPC) do MEC, cinco estrelas no Guia do Estudante e considerada uma das melhores universidades do Brasil para cursar fisioterapia em vários rankings de revistas e sites especializados”, afirmou a Profa. Ligia. A docente mencionou ainda outros marcos da primeira década do curso: a inauguração da Clínica de Fisioterapia em 2013, que comporta as atividades de estágios e realiza em torno de 3000 atendimentos por mês, a criação do programa de pós-graduação em Ciências da Reabilitação em 2016 e do ICM em 2018.

O Prof. Giovane Galdino e as professoras Tereza Carbonari, Denise Hollanda, Carmélia Bomfim e Juliana Bassalobre, do curso de Fisioterapia, também prestigiaram a solenidade de abertura junto aos participantes do congresso (Crédito da imagem: Dicom/UNIFAL-MG)

Já o Prof. Adriano, aproveitou a oportunidade para parabenizar os colegas docentes, técnicos-administrativos, terceirizados e discentes da Fisioterapia que proporcionaram as condições essenciais para a realização das atividades de ensino, pesquisa e extensão dentro do Instituto. “Agradeço aos primeiros professores do curso que construíram o alicerce robusto que foi indispensável para as conquistas que celebramos hoje; aos colegas que conduzem brilhantemente o ensino e pós-graduação; e à extensão, que frutifica por meio de programas e projetos, que desenvolvemos com dedicação, carinho e respeito, promovendo a troca de saberes e a interação com a comunidade de Alfenas e região, proporcionando assistencialismo de qualidade em prol da qualidade de vida da população assistida”, disse.

O 3° Congresso Sul-Mineiro de Fisioterapia reúne estudantes, pesquisadores e profissionais da área para discutir sobre temas como “Práticas Integrativas e Complementares em Saúde”, “Fisioterapia Neurofuncional adulto e infantil”, “Fisioterapia Respiratória e Cardiovascular”, “Fisioterapia em Saúde da Mulher”, além das temáticas fotobiomodulação, fitoterapia e abordagem multiprofissional nos distúrbios do sono. O evento é coordenado pelo professor do ICM, Leonardo César Carvalho, com o auxílio da Profa. Carmélia Bomfim Jacó Rocha e do PET Fisioterapia. Saiba mais!

Fotos: Dicom/UNIFAL-MG

 

 

Copy link
Powered by Social Snap