Costureiras, professoras e estudantes se mobilizam para produção de máscaras de tecido para doação; a iniciativa integra o projeto Máscaras que Abraçam da UNIFAL-MG

Com o aumento da procura por máscaras de proteção diante da pandemia de Covid-19, o produto está em falta em muitos locais. Com isso, muitas pessoas estão optando por máscaras artesanais de tecido.  Na UNIFAL-MG, a iniciativa de professoras e estudantes do Instituto de Química juntamente com costureiras de Alfenas e outros voluntários está produzindo máscaras para doação a hospitais públicos.

O projeto doou mais de mil máscaras para Santa Casa de Alfenas.

Na primeira etapa, foram produzidas mais de mil máscaras. A produção foi doada para a Santa Casa de Alfenas para ser utilizada por atendentes, pessoal da limpeza e também por acompanhantes de crianças e idosos. O projeto de extensão é coordenado pelas professoras Giovana de Fátima Lima Martins, Mariane Gonçalves dos Santos e Claudia Torres. A ideia inicial é suprir a necessidade da UTI Neonatal e Maternidade da Santa Casa, mas de acordo com o recebimento de doações de materiais, a projeto poderá atender outros locais.

“Toda a produção ocorre graças ao trabalho voluntário das costureiras e ao material doado por pessoas que souberam do projeto e abraçaram a causa conosco”, explica Giovana Martins. De acordo com ela, conforme a disponibilidade das voluntárias e de material, o projeto vai atender outras  outras alas do hospital e e famílias carentes de Alfenas.

As máscaras são confeccionadas por costureiras voluntárias de vários bairros de Alfenas.

A professora Mariane Gonçalves dos Santos, ressalta a relevância do projeto no contexto atual, principalmente, pela forma de transmissão da Covid-10 e pela recomendação do Ministério da Saúde para utilização de máscaras de tecido no auxílio do contingenciamento da propagação do vírus. “Seguindo essas diretrizes, o projeto busca assistir instituições públicas que estão com dificuldades em adquirir esse EPI de suma importância, bem como a população mais carente que passa por grandes dificuldades nesse momento”.

Liliane Cardoso da Silva é artesã e uma das costureiras voluntárias do projeto.

Para Liliane Cardoso da Silva, de 39 anos e uma das costureiras voluntárias, a participação no projeto é uma contribuição nesse cenário de pandemia. Ela divide o tempo de dedicação à carreira profissional e ao voluntariado.  “Como eu trabalho com artesanato, eu também faço máscaras para venda e para os meus clientes.  E garanto que os dias que reservo para o projeto, não atrapalha o meu trabalho e só me acrescenta amor pelo que faço”, ressalta.

A doutoranda Paula Pio de Oliveira Salem, do programa de Química e do grupo de pesquisa “Laboratório de Fitoquímica e Química Medicinal” (LFQM-UNIFAL-MG), atua na produção de máscaras juntamente com sua mãe, Neusa Pio de Oliveira. Para ela, o projeto também é a oportunidade de estar mais perto da família. “Trabalhar com a minha mãe contribuindo com a sociedade na prevenção e combate a esse mal, no primeiro momento pode até parecer uma pequena atitude da comunidade acadêmica para sociedade, mas essa iniciativa proporciona reflexos positivos em nossa cidade. Atitudes como essa têm ajudado pessoas em vários locais do mundo”, destaca.

Paula Pio de Oliveira Salem e Neusa Pio de Oliveira: família unida na solidariedade.

Nesse período, Paula Pio, que também atuou na produção de álcool 70% para doação ao sistema público de saúde, continua com atividades na pós-graduação, como estudos teóricos, redação de artigo científico, participação de eventos online e, logo, deverá iniciar uma disciplina na modalidade remota. Ainda assim, ela pretende se dedicar ao projeto.  “Em uma outra situação estaríamos, presencialmente, dentro do laboratório dando continuidade em nossas pesquisas que também contribuem para a sociedade, mas de igual forma, optamos por salvar de outra maneira. Todos os envolvidos no projeto carregam consigo uma característica incrível de ‘abraçar’ o outro, mesmo em tempos que o isolamento social insiste em nos afastar”, conclui.

O projeto “Máscaras que Abraçam” é desenvolvido no âmbito da Extensão Universitária da UNIFAL-MG. A continuidade da produção depende de doações de materiais ou de recursos financeiros para aquisição dos produtos necessários. Para isso, a UNIFAL-MG, por meio da Fundação de Apoio à Cultura, Ensino, Pesquisa e Extensão de Alfenas- Facepe, publicou uma chamada pública para estabelecer novas parcerias com entidades públicas, empresas e pessoas físicas. Para participar, os interessados podem encaminhar uma proposta de apoio conforme modelo disponível no link: https://bit.ly/2V8PWZx

O projeto foi destaque no Jornal da EPTV no dia 27 de abril. A reportagem pode ser conferida no link: https://globoplay.globo.com/v/8513515/

Crédito das Imagens: Arquivo do Projeto “Máscaras que Abraçam”

Copy link
Powered by Social Snap