“Escutas sensíveis, vozes potentes: diálogos com mulheres que nos transformam” – Marta Gouveia Oliveira Rovai

Narrativas autobiográficas que emocionam, surpreendem e transformam. Esta é a tônica do novo livro organizado pela pesquisadora Marta Gouveia Oliveira Rovai, professora do Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL) da UNIFAL-MG, que traz histórias de vida de mulheres guerreiras de diferentes lugares, raças, gêneros, militâncias políticas, gerações e posição social.

Intitulada “Escutas sensíveis, vozes potentes: diálogos com mulheres que nos transformam”, a obra não poderia ter tido um título que sintetizasse melhor a riqueza do conteúdo apresentado ao longo de 480 páginas.

“Cada vida possui muitos atravessamentos e muitos pertencimentos que apenas elas [narradoras] podem apontar. Eu convidaria todos e todas a lerem cada uma das histórias e perceberem a potência que cada narrativa de si traz. São vozes potentes e plurais”, afirma a professora Marta Rovai, organizadora da obra. (Foto: Arquivo Pessoal/Marta Rovai)

O livro reúne 22 capítulos escritos por 38 pesquisadoras e pesquisadores convidados. “Os capítulos foram agrupados em cinco partes intituladas a partir de expressões poéticas de Conceição Evaristo, Eli Odara, Cecília Meireles, Graça Graúna e Cora Coralina. As pesquisadoras e pesquisadores foram convidados como reconhecimento da qualidade de seu trabalho em comunidades de diferentes lugares no país”, enfatiza Profa. Marta.

Conforme a organizadora, participaram da obra convidados da UNIFAL-MG, UFMG, UNIVÁS, UNIFENAS, UFSJ, USP, UNIFESP, UFABC, UFSCar, UFF, UFRJ, UFPI, UFAM, UFAC, UFR, UFGD, UEPG, UFMS, UnB, IFG e UEG, todos preocupados com processos dialógicos de produção e circulação de conhecimento e com a devolução pública de suas pesquisas, bem como em contribuir com políticas públicas de reconhecimento de direitos e de reparação ligadas às mulheres.

“Cada pesquisadora ou pesquisador trouxe a narrativa a partir de seus estudos e dos impactos públicos dessas experiências no processo de construção e circulação de seus temas”, conta.

Um dos destaques do livro é que não houve a proposta de coletar experiências das mulheres, uma vez que elas não são tratadas como objetos ou fontes, mas sujeitas pensantes e narradoras de suas próprias histórias.

“Seus relatos que trazem conhecimentos subjetivos e coletivos, que são reelaborados a partir das negociações proporcionadas pela história oral e pela análise com os instrumentos das ciências humanas. A maioria teve seu nome publicizado por escolha delas e pela ideia de uma história pública que valorize e tire suas vivências do silêncio histórico e do anonimato pelo compartilhamento. Há casos de nomes ficitícios, frutos de negociação com os comitês de ética de cada instituição e com as próprias narradoras”, detalha Profa. Marta.

No livro é possível encontrar histórias como de uma prostituta, uma mulher trans negra, uma ex-guerrilheira, uma presidiária, uma Ialorixá, uma freira, uma professora rural, uma historiadora, uma quilombola, uma indígena, uma congadeira, uma marisqueira, uma plantadora de erva-mate, uma vendedora de pequi, uma militante do MST, uma estudante do Educação para Jovens e Adultos (EJA) e de uma dona de casa.

A parte final traz cinco histórias de mulheres cuja militância está associada à maternidade. “São mães de filhos e filhas LGBTQIA+ e mães em luto, que perderam seus entes queridos para a violência do Estado ou para o feminicídio”, acrescenta.

“Veja que apontei apenas uma característica de cada mulher, mas sem torná-la uma identidade única e fixa. Cada vida possui muitos atravessamentos e muitos pertencimentos que apenas elas podem apontar. Eu convidaria todos e todas a lerem cada uma das histórias e perceberem a potência que cada narrativa de si traz. São vozes potentes e plurais”, salienta a organizadora da obra.

Publicado pela Editora Cancioneiro, do Piauí, o livro foi lançado durante a “Semana das Mulheres: diversidades, lutas e resistências”, realizada pelo Núcleo de Atenção à Mulher (NAM), vinculado ao Departamento de Direitos Humanos da Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (Prace) entre os dias 15 e 19/03. Confira aqui o vídeo da live.

De acordo com relato da professora Marta, durante o evento, uma das mesas temáticas, que contou com a participação da própria organizadora e da professora Lívia Monteiro (UNIFAL-MG), da professora Paula Sampaio (UFR), e da prefaciadora do livro, professora Maria Carvalho (UFAC). “A fala delas na mesa manteve referências e diálogos com algumas temáticas do livro e a de(s)colonização do conhecimento sobre as mulheres, um conceito também colonizado”, compartilhou.

Em relação à repercussão da obra, o livro tem sido bem recebido por pesquisadores de outras universidades e foi inserido na programação de algumas disciplinas. “Um exemplar foi enviado a todas as narradoras. A maioria delas tem enviado mensagem com agradecimento e fotografias em meio à família ou à comunidade, demonstrando o efeito afetivo e coletivo da devolução”, revela Profa. Marta, dizendo que o reconhecimento e o orgulho tem sido uma marca da recepção ao livro, que também circula entre o Grupo de Trabalho de Gênero da Associação Nacional de História (ANPUH).

Quem tiver interesse em adquirir, pode entrar em contato com a organizadora pelo e-mail martarovai88@gmail.com ou diretamente pela Editora Cancioneiro.

Copy link
Powered by Social Snap