“Educação Matemática Crítica e a (In)justiça Social: práticas pedagógicas e formação de professores” – Guilherme da Silva et al.

É possível a Educação Matemática dialogar com a justiça social, a equidade, a distribuição de renda, o desmatamento, entre outras temáticas que emergem nas sociedades atuais? Essa é uma questão que o livro “Educação Matemática Crítica e a (In)justiça Social: práticas pedagógicas e formação de professores” busca responder e tem levado pesquisadores(as) e professores(as) da Educação Básica e do Ensino Superior à reflexão.

O livro faz parte da série “Educação Matemática”, da editora Mercado de Letras, e conta com apoio do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da UNIFAL-MG. A obra é destinada a professores e futuros professores de Matemática.

Iranete Lima está entre os autores e organizadores do livro, e atua como docente na UFPE.

A elaboração do conteúdo e a organização envolvem 24 profissionais dedicados à construção do pensamento em suas áreas de atuação, entre eles o professor Guilherme da Silva, do Instituto de Ciências Exatas (ICEX), da (UNIFAL-MG), que, em juntamente com as professoras Iranete Lima, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e Fanny Rodríguez, da Secretaría de Educación del Distrito da Colômbia (SED-CO), foi um dos organizadores do livro.

Fanny Rodríguez está entre os autores e organizadores do livro, e docente da Secretaria de Educación del Distrito-CO. (Foto: Arquivo Pessoal)

No intuito de relacionar o ensino de matemática às realidades das comunidades e dos(as) estudantes, a obra dispõe de professores e pesquisadores dedicados em sanar a falta de publicações voltadas às ações de formação inicial e continuada de docentes da área.

Nesse sentido, a construção do livro propõe a discussão dessas relações a partir de pesquisas com o enfoque em contextos socioculturais e educacionais distintos, bem como políticas públicas afirmativas de enfrentamento à injustiça social, envolvendo a Educação e o Ensino da Matemática.

Guilherme da Silva está entre autores e organizadores do livro, e atua como professor da UNIFAL-MG. (Foto: Arquivo Pessoal)

Em 327 páginas, distribuídas em 11 capítulos, os pesquisadores discutem questões envolvidas em quatro dimensões do pensamento e estudo da matemática: as desigualdades sociais pertencentes ao mundo globalizado na contemporaneidade, as preocupações e conceitos fundamentais da Educação Matemática Crítica, as práticas pedagógicas e a formação de professores.

De acordo com o professor Guilherme da Silva,  a obra contribui com a educação matemática brasileira, por ser uma das primeiras a promover o encontro de diferentes pesquisadores que utilizam a educação matemática crítica como referencial para explorar questões de justiça e injustiça social, nas aulas de matemática. 

Aos interessados em saber mais sobre “Educação Matemática Crítica: práticas pedagógicas e formação de professores”, o livro pode ser encontrado no site da editora Mercado de Letras.

*Jaíne Reis Martins é estagiária da Diretoria de Comunicação Social da UNIFAL-MG

 

 

 

 

 

 

Copy link
Powered by Social Snap